Dólar opera perto da estabilidade em relação ao real



Na sexta-feira (3), o dólar avançou 0,05%, vendido a R$ 3,1235. No ano, o recuo acumulado é de 3,88%.


O dólar passou a operar perto da estabilidade em relação ao real nesta segunda-feira (6), com investidores mantendo a expectativa por ingressos de recursos no país após recentes captações de empresas e acompanhando o movimento da moeda norte-americana ante algumas divisas de países emergentes. Às 16h30, a moeda norte-americana subia 0,02%, vendida a R$ 3,1242. Veja a cotação do dólar hoje.


Acompanhe a cotação ao longo do dia: Às 9h09, queda de 0,31%, a R$ 3,1136 Às 10h40, queda de 0,22%, a R$ 3,1167 Às 11h09, queda de 0,23%, a R$ 3,1162 Às 12h09, alta de 0,03%, a R$ 3,1244 Às 12h09, queda de 0,1%, a R$ 3,1204 Às 13h30, queda de 0,11%, a R$ 3,1201 Às 14h20, queda de 0,09%, a R$ 3,1204 Às 15h20, queda de 0,15%, a R$ 3,1186 "O investidor não vai ficar comprado (apostando na alta) em dólar se sabe que o fluxo vai deixar o dólar mais barato", justificou mais cedo à Reuters um operador de câmbio de uma corretora nacional.


Segundo a agência, algumas empresas nacionais têm conseguido fazer captações no mercado externo, alimentando expectativas de mais entradas de recursos no país, o que tende fazer o dólar cair. Na semana passada, foi a vez da empresa de alimentos JBS, que levantou US$ 2,8 bilhões por meio de uma linha de crédito garantida. Antes dela, vieram a Petrobras e a Raizen, por exemplo.


"Há expectativa de fluxo de recursos e também uma agenda esvaziada, que contribui para a trajetória da moeda (norte-americana) nesta sessão", comentou o operador da mesa de câmbio do banco Ourinvest, Bruno Foresti.


De olho no Fed

O mercado segue na espera de pistas sobre qual será o próximo passo do Federal Reserve, banco central norte-americano, em relação à política monetária no país. O Fed não deixou claro após o término de sua reunião de política monetária na semana passada a trajetória dos aumentos de juros, limitando-se a sugerir que estava no caminho para subir as taxas neste ano.


O mercado monitora pistas sobre o rumo dos juros nos Estados Unidos porque, com taxas mais altas, o país se tornaria mais atraente para investimentos aplicados atualmente em outros mercados, como o Brasil, motivando assim uma tendência de alta do dólar em relação ao real.


No exterior, o dólar recuava em relação a outras moedas de países emergentes, como os pesos mexicanos e chileno. Na sexta-feira, dados do mercado de trabalho norte-americano mostraram que, apesar do forte crescimento na criação de vagas em janeiro, apresentou ganhos salariais mais tímidos, o que enfraqueceu um pouco as apostas para as altas de juros nos Estados Unidos.


BC não interfere


Mais uma vez, o Banco Central brasileiro não anunciou qualquer intervenção no mercado de câmbio local. Recentemente, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, disse que o BC pode rolar apenas parcialmente ou até mesmo não rolar o swap cambial tradicional - equivalente à venda de dólares no mercado futuro - de março, equivalente a quase US$ 7 bilhões de dólares.


O nível R$ 3,10, no entanto, pode conter o movimento de desvalorização do dólar, já que é considerado um nível informal do mercado e tem atraído compradores quando é atingido, destaca a Reuters.


Na sexta-feira (3), o dólar avançou 0,05%, vendido a R$ 3,1235. Na semana passada, o dólar caiu de 0,9% – 7ª queda semanal seguida. No ano, o recuo acumulado é de 3,88%.

#Câmbio #Economia

Em Destaque
Publicações Recentes
Arquivo
Pesquisar por Tags
Nenhum tag.