Dólar fecha em alta após Trump anunciar plano fiscal 'fenomenal'


Moeda dos EUA avançou 0,32%, a R$ 3,1299.


O dólar fechou em alta nesta quinta-feira (9), após chegar a cair no início da tarde. O mercado reagiu a declarações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que vai divulgar seu plano fiscal "fenomenal" nas próximas semanas.


O dólar subiu 0,32%, a R$ 3,1299 na venda, depois de fechar na véspera com leve alta de 0,08%, a R$ 3,1197. Veja a cotação do dólar hoje.


Na semana, a moeda dos EUA acumula alta de 0,20%. No ano, tem queda de 3,68%.


Mais uma vez, o Banco Central não anunciou qualquer intervenção no mercado de câmbio.


No cenário externo, as preocupações sobre as eleições na França e na Alemanha também seguiram sob as atenções do mercado. Internamente, o mercado ficou de olho no cenário político.


A perspectiva de ingresso de dólares no país por captações de empresas continua limitando movimentos de alta do dólar em relação ao real.


"O mercado está monitorando o noticiário, mas tem tentado não se deixar contaminar pelas informações negativas, ajudado ainda pelos ingressos e expectativa de ainda mais fluxo", destacou o sócio da Omnix Corretora Vanderlei Muniz à Reuters.


De olho em Trump

Os investidores aguardaram impacientemente detalhes sobre as promessas de campanha de Trump para impulsionar a economia dos EUA com estímulo fiscal em grande escala por meio de gastos adicionais e cortes de impostos, destaca a Reuters.


Trump disse que sua administração vai anunciar "algo fenomenal em termos de impostos" nas "próximas duas ou três semanas", durante uma reunião com executivos de companhias aéreas nesta quinta-feira.


"Tem sido uma alta ampla do dólar impulsionada pelas manchetes de que Trump planeja anunciar algo fenomenal sobre impostos nas próximas semanas, nas palavras dele", disse à Reuters a diretora executiva da BK Asset Management, Kathy Lien.


"Esse foi realmente o ponto crucial da alta do dólar pouco depois da eleição e eu acho que os investidores estão ficando realmente animados com isso novamente."


O dólar avançou mais de 5% em relação a várias moedas nas seis semanas após a eleição de Trump, mas está em tendência de baixa desde o início do ano já que o presidente norte-americano tem se focado mais no comércio e na imigração do que no estímulo fiscal.


Além disso, os investidores continuaram de olho nas eleições na Europa, sobretudo na França, com o risco de a candidatura de Marine Le Pen, de extrema-direita, sair vitoriosa no pleito para Presidência do país.


Cenário interno

Internamente, o cenário político trouxe novidades cujos desdobramentos estavam no radar dos agentes, com destaque para o fato de a Polícia Federal ter concluído inquérito que investigou o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), no âmbito da operação Lava Jato e apontou indícios de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.


O temor no mercado era de que, com isso, votações de importantes projetos ao governo sejam atrapalhadas, como a reforma da Previdência, considerada essencial para colocar as contas públicas em ordem.


"Essas questões geram apreensão mas, por ora, o contexto geral de Brasil está melhor e dá segurança para o investidor aportar aqui", avaliou o economista-chefe da gestora Infinity Asset, Jason Vieira.

A perspectiva de entrada de mais recursos externos, depois de várias captações de empresas no país terem saído do papel, ajudava a evitar altas mais consistentes do dólar frente ao real.


Véspera

O dólar fechou praticamente estável na quarta-feira (8), permanecendo abaixo de R$ 3,12 e acompanhando o cenário externo, onde os investidores reagiam às incertezas com a política econômica do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. A moeda norte-americana encerrou o dia em alta de 0,08% na venda, depois de bater R$ 3,1302 na máxima do dia, segundo a Reuters.

#Câmbio #Economia

Em Destaque
Publicações Recentes