Dólar fecha em queda de olho em reformas


Moeda dos EUA recuou 0,31% e terminou o dia cotada a R$ 3,2662 na venda.


O dólar fechou em leve queda nesta terça-feira (23), após acumular alta nos últimos dias, em meio aos esforços do governo para dar andamento no Congresso às reformas trabalhista e da Previdência, considerada essencial para colocar as contas públicas do país em ordem, destaca a agência Reuters.


A moeda norte-america caiu 0,31%, vendida a R$ 3,2662, depois de ter acumulado alta de 4,55% até a véspera, desde a eclosão da crise política na semana passada. Veja a cotação


Na mínima da sessão, a moeda norte-americana marcou R$ 3,2557 e, na máxima, R$ 3,2904.

Cenário local

"A tendência do dólar segue indefinida, podendo voltar a subir fortemente se a crise envolvendo o presidente Michel Temer se estender por muito tempo", resumiu à Reuter o diretor da Correparti Corretora, Jefferson Rugik.


O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, defendeu nesta terça-feira (23) a necessidade do Congresso "mostrar que não vai parar" e disse que a agenda econômica vai continuar "independente de qualquer coisa".


O governo vem se esforçando para ver sua pauta econômica andando no Congresso Nacional. Na véspera, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), informou que a votação da reforma da Previdência deve começar entre os dias 5 e 12 de junho na Casa.


Nesta tarde, a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado iniciou a audiência pública para debater o projeto de reforma trabalhista, mas um bate-boca entre base governista e oposição chegou a suspender a sessão. Após a confusão, o presidente da comissão, Tasso Jereissati (PSDB-CE), anunciou ter considerado lido o parecer de Ricardo Ferraço (PSDB-ES) sobre a reforma trabalhista.



Atuação do Banco Central

O Banco Central realizou nesta sessão o último dos três leilões anunciados de novos swaps cambiais tradicionais - equivalentes à venda futura de dólares - para tentar reduzir a volatilidade no câmbio após o estouro da crise política. Foram vendidos todos os 40 mil contratos.


A autoridade monetária também vendeu integralmente a oferta de até 8 mil swaps para rolagem dos contratos com vencimento em junho. Com o leilão desta terça-feira, faltam rolar ainda US$ 2,035 bilhões do total de US$ 4,435 bilhões que vencem no mês que vem.

#Câmbio #Economia

Em Destaque
Publicações Recentes