Dólar cai e volta a R$ 3,15 após ata do Fed enfraquecer aposta de mais juros


Na véspera, a moeda norte-americana recuou 0,91%, vendida a R$ 3,1728.


O dólar ampliou a queda e voltou ao patamar de R$ 3,15 após a ata do banco central norte-americano sinalizar que cresceu a preocupação dos membros da instituição com a inflação fraca, o que pode esvaziar de vez as apostas de nova alta de juros nos Estados Unidos este ano, destaca a Reuters.


Até então, a sessão era marcada por leves variações no câmbio, com o mercado reagindo com cautela ao aumento da meta fiscal de 2017 e 2018 para déficit de R$ 159 bilhões.


Às 15h59, a moeda norte-americana caía 0,58%, vendida a R$ 3,1542. Veja a cotação hoje.


"A ata mostra menor força da inflação, sinal de uma economia menos aquecida, o que posterga as apostas de um novo aumento de juros", explicou à Reuters o diretor da Mirae Asset, Pablo Spyer.


Segundo a ata do Federal Reserve, alguns membros chegaram a pedir a interrupção do aumento da taxa de juros até que estivesse claro que a tendência era transitória.


Revisão da meta fiscal

Na terça-feira, o governo revisou as metas fiscais de 2017 e 2018, para déficit primário de R$ 159 bilhões, na comparação com os alvos anteriores de R$ 139 bilhões e R$ 129 bilhões, respectivamente. Para viabilizar o objetivo de 2018, vieram esforços adicionais para aumentar a arrecadação e reduzir o tamanho da máquina pública. Entenda por que o governo revisou a meta fiscal.


"O anúncio ficou dentro da expectativa, mas ainda é preciso aprovar tudo o que o governo sugeriu", afirmou o economista-chefe da gestora Infinity, Jason Vieira, ressaltando que a aprovação da reforma da Previdência também é essencial.


De modo geral, os mercados já haviam precificado essas mudanças no cenário fiscal antes. Por isso, nem mesmo o voto de confiança dado ao governo pela Standard & Poor's na véspera fazia muito preço nessa sessão.


A agência de classificação de risco retirou a observação negativa sobre o rating do Barsil e passou a perspectiva negativa. Na prática, isso significa que tirou do radar a possibilidade de corte da nota do país sem um aviso prévio.


"Se houvesse uma alteração na nota pela S&P, teria forte impacto no mercado", afirmou à Reuters o presidente do correspondente cambial BeeCâmbio, Fernando Pavani.


Nesta quarta-feira, a Moody's também informou que a revisão da meta de déficit primário para este ano não deve trazer um impacto para a avaliação de rating do Brasil.


Na véspera, a moeda norte-americana recuou 0,91%, vendida a R$ 3,1728, após ter encerrado na segunda-feira a 3,202.

#Câmbio #Economia

Em Destaque
Publicações Recentes